Participe

Mãe e dois filhos são resgatados após 17 anos vivendo em cárcere privado

Pode ser uma imagem de quartoA Polícia Militar do Rio de Janeiro resgatou três pessoas mantidas em cárcere privado, por 17 anos, nessa quinta-feira (28), em uma casa em Guaratiba, zona oeste do Rio. O resgate foi possível após denúncia anônima na Rua Leonel Rocha. Ao chegarem ao local, eles encontraram uma casa em condições insalubres, com uma mulher e dois filhos, que estavam amarrados, sujos e subnutridos.
 
Os jovens são filhos do suspeito de cometer o crime. O homem foi preso, e as vítimas atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).
 
O caso será investigado pela Polícia Civil, por meio da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Campo Grande. O autor foi autuado em flagrante pelos crimes de tortura, cárcere privado e maus-tratos.
 
Itatiaia
29/07/2022

Evangelho do Dia

Quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Mt 18,21-19,1

Naquele tempo, 18,21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” 22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.

25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. 26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’.

29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’

34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”. 19,1Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.