Participe

Após seis meses, menos da metade da população infantil em MG recebeu 2ª dose da vacina contra Covid

Pode ser uma imagem de 1 pessoaMais da metade das crianças com idade entre 5 e 11 anos ainda não foram vacinadas com a segunda dose contra a Covid-19. A imunização começou em janeiro deste ano e, até o momento, a cobertura está em 49,56%.
 
De acordo com dados do Vacinômetro Pediátrico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), atualizado nesta quarta-feira (27), ao todo, são 1.870.098 crianças aptas a se vacinarem no Estado. Ao menos 1.349.462 (71,16%) tomaram a primeira dose e 926.820 (49.56%) receberam a segunda. O que significa que mais de 400 mil crianças que tomaram a primeira dose não voltaram para receber a segunda.
 
Para crianças vacinadas com a Pfizer, o intervalo entre as aplicações é de 8 semanas. Já para as que receberam a CoronaVac, o intervalo é de 28 dias.
 
Os indicadores também mostram que o público adulto está próximo de atingir a meta de imunização. Atualmente, 89,59% da população acima dos 12 anos está imunizada com a primeira dose ou dose única. A meta, segundo o Ministério da Saúde, é de 90%.
Quanto às primeiras e segundas doses de reforço para o público adulto, são 59,52% imunizados com a primeira e 30,48% com a segunda.
Na última semana, Minas começou a vacinar as crianças com idade de 3 e 4 anos com a Coronavac.
Em 24 horas, Minas registrou 3.869 novos casos e 45 mortes por Covid-19. Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram 3,8 milhões de casos confirmados e pouco mais de 62 mil óbitos. Atualmente, 74 mil casos estão em acompanhamento.
 
Hoje em Dia
28/07/2022

Evangelho do Dia

Quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Mt 18,21-19,1

Naquele tempo, 18,21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” 22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.

25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. 26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’.

29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’

34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”. 19,1Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.