Participe

Santa Dulce dos Pobres: novo feriado no Brasil é aprovado no Senado

Divulgação/OsidA Câmara dos Deputados se prepara para analisar o projeto, aprovado no Senado, que cria um novo feriado nacional. A data celebra Santa Dulce dos Pobres e, caso aprovada, será lembrada em 13 de março, dia da morte da religiosa, que faleceu em 1992, em Salvador. O projeto é de autoria do senador Flávio Arns (Podemos).

 A Igreja Católica celebra a Santa Dulce em 13 de agosto, dia em que ela se tornou freira. Nascida em Salvador, em 26 de maio de 1914, foi batizada como Maria de Souza Brito Lopes Pontes, mas escolheu o nome de irmã Dulce em homenagem à mãe, Dulce Maria de Souza Brito, morta quando a freira tinha apenas 7 anos.

A irmã Dulce foi canonizada pelo Papa Francisco, no Vaticano, em 13 de outubro de 2019, tornando-se a Santa Dulce dos Pobres, uma das religiosas mais populares do Brasil por conta do trabalho social que prestava em amparo aos mais pobres.

Um dos episódios mais marcantes ocorreu em 1949 quando ela transformou o galinheiro do Convento de Santo Antônio em um abrigo para receber cerca de 70 pessoas pessoas doentes que estavam em situação de rua. O local se transformou em 1970 em Hospital Santo Antônio, um dos maiores do Nordeste.

O Vaticano considera Santa Dulce a primeira santa brasileira, visto que ela foi a primeira mulher nascida no Brasil que teve milagres reconhecidos pela Igreja Católica. Ela também é conhecida como o anjo bom da Bahia.

 

Itatiaia

23/11/2021

Evangelho do Dia

Quarta-feira, 01 de dezembro de 2021

Mt 15,29-37

Naquele tempo, 29Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha, e sentou-se. 30Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. 31O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel.

32Jesus chamou seus discípulos e disse: “Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho”.

33Os discípulos disseram: “Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?” 34Jesus perguntou: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete, e alguns peixinhos”. 35E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. 36Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. 37Todos comeram, e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

  — Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.