Participe

Queijos mineiros conquistam 40 medalhas em concurso na França

Pode ser uma imagem de comidaBrasil fica em segundo lugar no ranking, com 57 prêmios. Das cinco Super Ouro, Minas Gerais ganhou quatro
Produtores de queijo de Minas Gerais lideraram o ranking brasileiro no concurso internacional Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, evento encerrado nesta terça-feira (14) na França. Ao todo, Minas Gerais conquistou 40 medalhas, de 57 faturadas por produtores brasileiros. O Brasil ficou em segundo lugar na competição, perdendo para a França, anfitriã do evento. Foram 46 países participantes e 311 medalhas concedidas.
 
Além do alto número de premiações no quadro geral, Minas Gerais conquistou quatro medalhas Super Ouro, que são as mais cobiçadas. Apenas uma dessas medalhas faturadas por brasileiros não veio pra Minas. Os vencedores de Minas foram Queijo Minas Artesanal Quilombo na Cachaça (Sabinópolis), Canastra Reserva do Ivair (São Roque de Minas), Queijo Santo Casamenteiro (Cruzília) e Queijo Canastra Serjão Maturado 100 Dias (Piumhi).
“As 40 medalhas conquistadas por Minas Gerais no Mondial du Fromage deste ano revelam a força e o valor da cozinha mineira, o cuidado e a excelência de nossos produtos artesanais e reafirmam a razão de Minas ser reconhecida, principalmente, por sua cozinha tradicional, citada por 30% das pessoas que visitam o Estado”, comenta Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo, após saber da premiação do Estado nesta terça-feira.
 
O titular da Secult ressalta a importância da cozinha mineira, do turismo de experiência e do turismo rural para a retomada das atividades do setor no Estado. “Trabalhar a singularidade da cozinha mineira e estimular o turismo rural é promover a diversificação da oferta turística, um dos pilares do Programa Reviva Turismo, contribuindo para a inclusão de novos atores na cadeia produtiva do turismo, ampliando o fluxo de turistas para o Estado e fortalecendo a atividade neste momento de recuperação do setor”, ressalta o secretário.
 
O queijo artesanal é o mais famoso, com sabores diferenciados e receitas exclusivas de mais de 200 anos, a iguaria produzida na região da Canastra é registrada como Patrimônio Cultural e Imaterial Brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2008. Em muitos municípios é possível conhecer a forma de produção dos queijos artesanais e a história de cada família. Já o “Modo de fazer o queijo artesanal da região do Serro” foi o primeiro bem registrado como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado em agosto de 2002. O modo de fazer o queijo chegou à região pelas trilhas do ouro, na bagagem dos colonizadores portugueses, e se constituiu, com o passar dos anos, em um importante elemento econômico, cultural e simbólico.
A região produtora do chamado queijo do Serro engloba os municípios de Alvorada de Minas, Coluna, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Materlândia, Paulistas, Rio Vermelho, Sabinópolis, Santo Antônio do Itambé, Serra Azul de Minas e Serro.
 
O Tempo
15/09/2021

Evangelho do Dia

Sexta, 22 de Outubro de 2021

Lc 12,54-59

Naquele tempo, 54Jesus dizia às multidões: “Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. 55Quando sentis soprar o vento do sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. 56Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? 57Por que não julgais por vós mesmos o que é justo?

58Quando, pois, tu vais com o teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto estais a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao guarda, e o guarda te jogará na cadeia. 59Eu te digo: daí tu não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.